terça-feira, 19 de maio de 2020

virgem até os 18!

tinha essa coisa pela prima do léo feijó que não era uma paixão, talvez uma admiração mesmo, essa coisa dela adolescente rebelde, ela devia ter uns 16 anos, a coisa dela ser mais velha e de alguma maneira de nos dar atenção. eu era muito moleque quando o léo veio morar aqui no meu predio.
mas nunca passou disso.
as meninas que brincavam aqui tambem eram muito novas. todo mundo era muito novo, ninguem tinha maldade ou algo assim.

lembro que a minha familia frequentava uns clubes que tem perto do MAM, no final do aterro do flamengo, quase perto do aeroporto.
lá tinha uma menina que eu gostava, mas nem lembro o nome dela, paixonite de verão talvez. lembro duma mina que ficava se esfregando nos meninos. mas não passava disso. era sacanagem mesmo, ela se esfregava no pau dos meninos, mas a maioria ainda era criança.

sempre tinha uma outra menina do colegio que voce ficava afim, mas eram paixões platonicas; era aquela coisa que a meninas nunca ficariam com voce, elas queriam os meninos mais velhos.
vivi muito essa coisa bem adolescente dos anos 60, o menino gostava da menina mas nada acontecia. normalmente ele era levado por um irmão mais velho ou um tio prum puteiro pra "virar" homem.
a menina era virgem até ela arrumar um namorado. dae era aquela coisa que ela queria dar, ele queria comer, mas não podia.
tinha a coisa da mina que "já deu pra todo mundo", a famosa piranha; essa ninguem queria namorar, só comer.
isso tudo era uma babaquice só, coisa remanescente dos anos 60, 50, sei lá. parecia que não houve a tal revolução sexual, ou se houve era coisa de comunista.

tinha uma menina que morava na praça aqui do lado de casa, se chamava isabela. essa era "a piranha da praça". acho que ela era filha da empregada, algo assim. lembro dela sair com um carinha de moto, ela vinha e me contava que era apaixonada por ele mas que ele não queria nada sério. eles iam pro parque lage e ficavam de sacanagem por lá. o parque lage uma época era meio que abandonado, não tinha um orgão, ninguem que tomava conta, então de noite virava o "motel" da galera. isso porque tinha estupro e os caraleo lá dentro.
a gente ficou amigão. mas todo mundo me zuava porque eu era amigo dela. e vinham os amiguinhos perguntar se eu tava comendo, eu dizia que não, que era só amigo mesmo e todo mundo me zuava.
a gente conversava muito sobre sexo, amizade, masturbação, essas coisas de adolescente mesmo. ela sabia que eu era virgem e queira me comer. mas eu tinha esse sonho de transar apenas com a pessoa que eu gostasse de verdade. achava tudo muito fugaz, tudo muito qualquer coisa. como eu disse, a gente vinha dessa coisa de anos 50 pra baixo, então eu achava aquela coisa do "ficar" uma verdadeira babaquice. e nem era, mas na minha cabeça eu achava escroto um cara pegar a mina, ficar e depois dispensa-la como se nada tivesse acontecido. eu tentava ver o lado das minas.achava os meninos muito playboy ao ter esse tipo de atitude.

um tempo depois, já em outra turma, fiquei apaixonado por uma menina irmã de um amigo da visconde da graça. essa historia todo mundo sabia. eu tinha me declarado algumas vezes pra ela e nada. virou aquela coisa platonica. durou anos, mas todo mundo sabia. era ate engraçado. uma amiga uma vez me pediu pra eu tirar a roupa, eu fingi que não ouvi e ela meio que deixou de lado.
eu realmente queria que a primeira vez fosse com alguem que eu amasse de verdade mesmo.

aos 16 anos, conheci uma mina num show dos paralamas no estadio de remo da lagoa. foi um show foda, eles estavam voltando de uma tour pela argentina, comemorando o sucesso do disco selvagem.
foi a primeira vez que dei uns beijos na boca de alguem.ela era de brasilia e estava de ferias com a familia aqui no rio.ficamos de nos ver de novo porque tinha sido muito bom e queriamos mais.
passei uma semana direto indo pra barra, ela tava hospedada no barramares.
foi o meu primeiro "contato" com brasilia. eu sempre tive essa coisa com brasilia, anos depois descobri que quase fui de brasilia, meu pai tinha sido chamado pra ir trabalhar lá na formação da cidade. ele foi, achou aquela terra vermelha muito estranha e resolveu que não ia pra lá. talvez eu tivesse sido dessa geração coca-cola que veio depois, ainda bem que não, até porque eu os conheceria de qualquer forma e que fariam parte da minha vida.mas isso é uma outra historia.
com essa menina de brasilia quase rolou um sexo. a gente tinha aquele tesão de adolescente que fica com o saco doendo depois de tanto amasso. rolou um peito, mas só ficou nisso.
teve muita troca de carta depois, ah sim, sou "da epoca das cartas" como diz um amigo meu.
ela disse que a gente não podia manter esse "namoro" porque na verdade ela tinha um namorado em brasilia. ele tinha uma banda lá, um tal de "filhos de menguele"

um tempo depois comecei a namorar uma mina do colegio peixoto. era aquela coisa de namoro de colegio, nada aconteceu. a mina era podre de rica. anne-marie. ela bancava o meu cigarro, eu não tinha dinheiro, e com isso acabei saindo do colegio.epoca do governo collor.

até que conheci a carmen. mas ainda não era a hora. a gente se curtia e tudo, dormia junto e tudo, mas eu mantive a minha palavra de não transar antes de saber se a gente se amava de verdade. acho que nessa hora a coisa todo já tinha virado medo. sei lá medo de que, talvez de decepcionar ela ou de me decepcionar, eu realmente tinha perdido o fio da meada.

até que veio a nina. todo mundo sabe dessa historia. sim, ela me comeu. ela com 14 eu com 18. e foi MUITO bom.
sabe, vou dizer que valeu a pena segurar essa onda toda ate os 18. a nina foi muito especial pra mim. ate hoje quando a gente se encontra, vejo que temos um carinho especial um pelo outro. ela sabia que eu era virgem e que foi ela que me comeu primeiro.

devo confessar que depois o sexo virou meio que uma coisa banal. tipo existia fazer amor, mas existia a coisa só da sacanagem. e isso durou bastante tempo ate eu entender que sexo é MUITO importante.
tem um tempo que tou nessas de sexo só por amor. existe o sexo pela amizade tambem, o famoso pau amigo. mas a coisa só por fazer eu prefiro ver um filme, escutar uma musica. acho que o beijo, o carinho, isso tudo faz parte de algo maior.

como eu disse um post antes, roda, roda e parece que voce para no mesmo lugar.